segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Texto extraido de A Corrida Fatal (The Fatal Race)

Texto extraido de A Corrida Fatal (The Fatal Race)
Veja o contraste deste tipo de corrida, com o que vemos se desenvolvendo na casa de Deus atualmente. Ontem, fui informado que um famoso pregador havia abalado os outros evangelistas de TV, porque ofereceu ainda mais dinheiro às estações de televisão para ocupar os melhores horários. Ele “aumentou o valor do prêmio”. Outro,
se gabava por estar em busca de mais estações retransmissoras, em número suficiente para lhe assegurar a ocupação de mais emissoras do que qualquer outro evangelista dos tempos modernos.

Pastores e evangelistas estão competindo para construir as maiores e mais singulares igrejas e sedes. Um ministro confidenciou-me, todo sério: “O pastor J___ está construindo uma igreja de 39.270 metros quadrados; então fiz com que o nosso arquiteto refizesse a planta e aumentasse a nossa nova igreja para 39.930 metros.
Quero a igreja com o maior número de metros quadrados do estado.”

E as multidões de crentes que agora estão presas à corrida por coisas materiais? Agora eles querem dois de tudo. Uma reserva para tudo que possuem. É quase como se estivessem tentando transformar esta carreira numa maratona de prêmios.

Esta corrida não é uma loteria para a eternidade. Não é uma competição para prosperidade, saúde, e sucesso. Se nossa fé for recompensada por qualquer coisa menor que o prêmio do alto chamamento em Cristo Jesus, então não valerá a pena se competir. Só ganha este prêmio, o filho de Deus que desejar obter nada senão mais de Jesus; é aquele que lança as coisas deste mundo aos pés da cruz, como sendo lixo sem valor - para que possa ganhar a alegria e a paz gloriosas do Salvador.

Houve um tempo em que a corrida não era para os rápidos, para os prósperos, ou para os ambiciosos - mas sim para os humildes e fracos. Houve um tempo em que a corrida levava à perseguição, privação, perda dos bens, lutas e ao martírio. Alguns competidores vestiam-se só de pele de cabras, alguns foram torturados, serrados ao meio, outros foram espancados, marcados no corpo.

A. D.

Nenhum comentário:

Postar um comentário